Saúde: Mama acessória: conheça causas e tratamentos

Muitas mulheres sofrem com inchaços e dores na região da axila e sequer sabem que sofrem com uma problemática conhecida como mama acessória.

Ela se confunde muito com as “gordurinhas” localizadas na região axilar, mas pode comprometer a estética muito mais do que se imagina.

Por isso, vamos entender as principais causas e tratamentos para a mama acessória.

Pronta para saber mais sobre o assunto? Continue sua leitura até o final!

Mama acessória

A mama acessória, também conhecida como polimastia, é caracterizada pela presença de glândulas mamárias fora da própria mama, geralmente envolvendo a região axilar.

Tal fenômeno ocorre quando há excesso de tecido mamário e acaba ocorrendo a formação de uma mama acessória em outra região.

Embora essa informação não seja muito disseminada, a mama acessória pode ser muito mais comum do que se imagina! E pode incluir regiões como:

Axilar (a forma mais comum);

Pélvica ou abdominal - embora esses casos sejam ainda mais raros.  

Quais são os principais sintomas relacionados com a mama axilar?

Como a região axilar tem incidência ainda mais comum, vamos falar sobre os principais sintomas relacionados:

Mamas presentes nas axilas (em ambas ou apenas uma delas);

Desconforto na região axilar;

Problemáticas para amamentar;

Sensação de inchaço no local;

Dores relacionadas com o período menstrual;

Liberação de leite quando há amamentação pelas mamas.

Embora os sintomas possam ser bastante desconfortáveis e incomodar muitas mulheres, algumas passam a vida sem saber que possuem o problema, não apresentando qualquer tipo de sintoma.

Quais são as principais causas do problema?

A causa da polimastia se dá no período embrionário, devido a uma falha na regressão do tecido mamário - embora a mama possa atrofiar e a paciente nem saiba que sofre com o problema.

As complicações costumam surgir quando a falha da regressão é somada com o ganho de peso e excesso de alguns hormônios. Isso faz com o que desenvolvimento da mama acessória se torne acentuado e a problemática comece a atingir o quesito estético.

Como é feito o diagnóstico?

Muitas pessoas confundem a mama acessória com as gordurinhas axilares, mas diferente da gordura localizada, a situação costuma incomodar as pacientes, principalmente com relação ao inchaço e dores relacionados com o período menstrual.

Mesmo assim, o diagnóstico correto merece orientação médica, envolvendo exames físicos e de imagem, como:

Ultrassonografia;

Ressonância;

Mamografia.

De acordo com o diagnóstico executado pelo médico e das observações da paciente, ele poderá analisar a necessidade de realização cirúrgica.

Muitas mulheres nem sabem que sofrem com o problema e acabam percebendo durante o período de lactação, que acaba deixando a glândula ainda mais evidente.

Quais são os principais fatores de risco relacionados com a mama acessória?

Os principais fatores de risco, que podem complicar ainda mais o quadro, são:

Obesidade;

Dieta não equilibrada, rica em gorduras e açúcares;

Sedentarismo e falta de atividades físicas;

Histórico familiar.

Quando procurar ajuda médica?

Muitas mulheres passam a vida sem saber que possuem mama acessória, mas caso você note crescimento na região axilar, dor, inchaço e sensibilidade relacionados com o período menstrual, o ideal é procurar ajuda médica.

Ginecologistas e mastologistas podem ajudar nesse caso, e devem ser procurados para evitar qualquer tipo de complicação, visto que a possibilidade de ocorrência de câncer de mama é a mesma do que nas mamas habituais.

Como as pacientes que sofrem com o problema podem diminuir complicações?

Caso a pessoa não sofra muito com as glândulas acessórias mas queira prevenir problemas, o ideal é ter uma série de hábitos saudáveis que contribuam para a redução do quadro. Incluindo:

Dieta equilibrada;

Atividade física aeróbica.

Assim, é possível evitar o aumento da mama acessória e prevenir a necessidade de intervenções cirúrgicas.

Mulheres que possuem histórico familiar devem ficar ainda mais atentas para a prevenção, mesmo que não sofram com nenhum tipo de sintoma.

Tratamento para a mama acessória:

Caso as glândulas mamárias na axila incomodem a paciente, sobretudo com relação a dor, inchaço e quesito estético, o tratamento pode incluir a realização de cirurgia plástica reparadora.

Embora o procedimento seja simples, não existe qualquer tipo de medicamento para ajudar no problema.

Mesmo assim, é importante entender que devem sempre ser acompanhadas com dietas e prática de atividades físicas, visto que pode haver a necessidade de correção cirúrgica e até mesmo retorno do quadro.

Retirada da glândula mamária da axila

A extração da mama acessória costuma ser simples e o procedimento dura no máximo uma hora e meia.

A mamoplastia é realizada com anestesia e sedação, fazendo uma pequena incisão para retirada da mama acessória. O procedimento não tem a necessidade de internação, mas demanda cuidados especiais no pós-operatório, assim como em qualquer cirurgia plástica.

Casos que incluem uma polimastia com volume pequeno podem ser beneficiados pela realização de uma lipoaspiração, sem a necessidade de retirada de glândulas por outras maneiras.

O tratamento cirúrgico gera bom resultados e as cicatrizes axilares tendem a diminuir com o passar do tempo, por isso, é muito indicado caso o médico recomende tal intervenção.

Cuidados no pós-operatório:

São necessárias pelo menos duas semanas de repouso para a recuperação da paciente, incluindo orientações como:

Cuidados com a movimentação e esforços na região dos braços;

Evitar levantar pesos;

Dormir conforme as orientações médicas durante o primeiro mês;

Cuidar com a cicatrização da região.

Curiosidades importantes sobre a mama acessória:

Assim como a mama convencional, a acessória também pode sofrer complicações com câncer de mama, por isso os cuidados devem ser redobrados em tais pacientes. Em caso de dúvidas, sempre procure um médico de confiança;

A mama acessória é comumente confundida com as gordurinhas da região axilar;

Pode sair leite pelas axilas durante o período de lactação.

Considerações finais

Embora muitas mulheres passem a vida sem saber que sofrem com o problema, as mamas acessórias podem ser um tanto quanto desconfortáveis para a vida da mulher, seja no quesito estético quando fisiológico.

Por esse motivo, entender suas causas, tratamentos e formas de prevenção é essencial para evitar agravações no quadro.

Gostou do conteúdo de hoje sobre mamas acessórias? Comente logo abaixo suas dúvidas – estamos prontos para atendê-la!

Categoria:Noticias da Costa Branca

Deixe seu Comentário